traduçãoautomática-machinetranslation

Você já ouviu falar em machine translation? A tradução por máquina – ou tradução automática – ainda é um assunto controverso na área, gerando fortes debates, especialmente entre profissionais mais experientes e tradutores que acabaram de entrar nesse universo.

Apesar dos negacionistas, que não querem nem ouvir tamanha “blasfêmia”, e os catastrofistas, que estão sempre prevendo o iminente fim da profissão, a tradução automática se consolida cada vez mais no mercado de trabalho, se tornando uma exigência entre agências e contratantes, além de fazer parte dos currículos de cursos livres, graduações e pós-graduações.

Por isso mesmo, o assunto necessita de mais cuidado e objetividade quando analisado, levando em conta a presença histórica de inteligência artificial no cotidiano das pessoas e suas interações. É essa discussão que o professor Jorge Davidson levanta em sua palestra “Machine translation, interação homem-máquina e o futuro da tradução”, no intuito de entender onde estamos hoje e o que podemos esperar desse campo nos próximos tempos.


Na pós-graduação em Tradução oferecida pela Coordenadoria Cult, seja de Inglês ou de Espanhol, o aluno tem contato com diversos profissionais da área, que trabalham diariamente com os mais variados tipos de ferramentas de tradução automática, além de ter uma disciplina específica sobre Tradumática, ministrada pelo professor Jorge Davidson. O curso é pioneiro no Brasil, tornando o aluno proficiente no uso de várias ferramentas que auxiliam na tradução, além de ser recomendado pela Associação Brasileira de Tradutores e Intérpretes (Abrates) e pelo Sindicato Nacional dos Tradutores (Sintra).

O assunto machine translation e o futuro da tradução foi tema de uma das palestras que aconteceu em outubro de 2019, no Rio de Janeiro, durante a Jornada de Tradução, ministrada pelo professor Jorge Davidson. Você pode conferir o conteúdo completo no YouTube. Aproveite para se inscrever no canal da Cult Estácio e não perder nenhuma atualização!

Você também pode conferir mais sobre o assunto no artigo do professor para a Revista CTPCBA, do Colégio de Tradutores Públicos de Buenos Aires.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *